Bem Viver

Tratamentos avançados em fisioterapia, em Fortaleza, Ceará.

Câncer de Mama

Perfil Epidemiológico

De acordo com o INCA/MS e o SIM/MS, o câncer de mama é hoje o segundo tipo de câncer mais freqüente no mundo e o primeiro entre as mulheres, excluindo o câncer de pele não melanoma.
A sua incidência continua aumentando em grande parte dos países desenvolvidos assim como no Brasil.
É responsável por cerca de 18% dos óbitos por câncer, em mulheres, por ano.

 

Fatores de risco

Fatores demográficos

O padrão de incidência mostra uma variação significativa entre diferentes países. As taxas são seis vezes maiores no Reino Unido do que na Ásia, com o Japão exibindo uma incidência particularmente baixa.

O risco do câncer de mama é influenciado pela geografia.

Fatores Familiares

Pessoas com casos de câncer na família, principalmente parentes de primeiro grau, têm maior risco de desenvolver a doença.

Genes:
BRCA1 – 20% a 30% de CA de mama
BRCA2 – 2,7% em famílias de alto risco

Fatores reprodutivos

- menarca precoce (< 12 anos)
- menopausa tardia (> 55 anos)
- nuliparidade
- primeira gestação de termo após 34
As mulheres que têm sua primeira gravidez a termo antes dos 20 anos têm menor risco. Entretanto, o efeito protetor de ter mais filhos depende totalmente de uma primeira gravidez a termo em idade jovem.
Gestações incompletas não tem efeito comparável, assim para que o primeiro parto seja protetor ele deve ter ocorrido antes dos 32 anos de idade.

Hábitos de vida

- sedentarismo
- tabagismo
- contraceptivos orais
- terapia de reposição hormonal
- ingestão alcoólica excessiva
- obesidade
- dieta gordurosa

 

Epidemiologia do câncer de Mama

Grupo etário

  • Raro em mulheres < 20 anos
  • Incomum entre 20 e 30 anos
  • Aumento da incidência entre 30 e 50 anos
  • Aumento substancial após os 50 anos
  • Associado a padrão socioeconômico mais elevado
  • Mais comum em mulheres brancas

Diagnóstico Clínico

Auto-exame das mamas

* Exame das mamas realizado pela própria mulher através da palpação dos seios, ajuda no conhecimento do próprio corpo.
* Entretanto, esse exame não substitui o exame clínico das mamas realizado por um profissional da saúde treinado.
* Em caso de alguma alteração, procure imediatamente um serviço de saúde mais próximo da sua residência.  
 
Exame clínico das mamas

* Detecta 80% dos tumores indicados a tratamento conservador
* Baixo custo e praticável em qualquer lugar
* As desvantagens são: subjetividade do examinador e sensibilidade reduzida em tumores menores que 1 cm e em mulheres jovens.

Mamografia

O rastreamento mamográfico feito com regularidade reduz a mortalidade por
câncer de mama e pode detectar uma patologia subclínica da glândula.
É atualmente, o exame complementar por imagem que apresenta os melhores resultados diagnósticos e é indicado para o estudo da mama de mulheres acima de 35 anos, sintomáticas ou não.
 
Ultra-sonografia

* É um exame que complementa a mamografia
* Útil para diferenciar nódulos sólidos e cistos
* Método auxiliar para guiar punções citológicas ou histológicas

Exame citológico (PAAF)  

Punção aspirativa por agulha fina.

Exame histopatológico (PAG ou mamotomia)
As mulheres com mais risco de ter o câncer de mama devem tomar cuidados especiais. A partir dos 35 anos o exame clínico das mamas e a mamografia devem ser feitos uma vez por ano.

Quadro Clínico

* Assintomática
* Alterações na coloração, superfície e textura
* Dor
* Secreção do mamilo
* Nódulo

 

Tratamento Sistêmico do Câncer de Mama

Quimioterapia

- Administração de drogas citotóxicas a fim de eliminar ou inibir micrometásteses clinicamente ocultas.
-   Neo adjuvante/ Adjuvante/ Paliativa

Hormônioterapia

-   Composto não esteróide que ocupa o receptor de estrogênio ou que bloqueia a formação do estrogênio.
- Tratamento Local do Câncer de Mama

Radioterapia

- Controle local do câncer
- Neo adjuvante ou adjuvante
- Local: mama residual (cirurgias conservadoras)
              plastrão (cirurgias radicais) 
              cadeias de drenagem



Tratamento Cirúrgico do Câncer de Mama

Linfonodo Sentinela

Indicado para pacientes com tumores até 3 cm e a axila clinicamente negativa. É contra-indicado em pacientes com quimioterapia neo-adjuvante, biópsia prévia com complicação, cicatrizes extensas, mamoplastia, gestação. As técnicas utilizadas são azul patente e radio-fármaco (Tecnésio).

Conservadoras

Quadrantectomia
Remoção de um quadrante ou segmento da glândula mamária onde está localizado um tumor maligno com margens cirúrgicas de tecido normal circunjacente de 2 a 2,5 cm, incluindo a aponeurose subjacente ao tumor com ou sem segmento cutâneo.

Tumorectomia
É a remoção do tumor sem margens de tecido circunjacente. Não é necessário incluir aponeurose subjacente do grande peitoral ou pele.

Setorectomia

É indicada em casos onde a lesão é extensa, heterogênea e sem um alvo para direcionar a agulha. Indica-se preferencialmente em lesões de alta suspeita para resolução imediata dos casos iniciais de câncer. Pode-se identificar e avaliar margens cirúrgicas e linfonodo sentinela.

Centralectomia

É uma cirurgia conservadora dos tumores centrais da mama.

 

Mastectomia Radical

Halsted

É a retirada da mama, músculo grande e pequeno peitoral e esvaziamento axilar radical.

Modificada Patey

Remoção da glândula mamária, linfadenectomia axilar ou biópsia do linfonodo sentinela, retirada do m. pequeno peitoral.

Modificada a Madden

Remoção da glândula mamária, linfadenectomia axilar ou biópsia do linfonodo sentinela, preservação dos m. peitorais.

Preservadora de pele

Retirada da glândula mamária, conservando os músculos peitorais e suas aponeuroses, pele e complexo areolopapilar.
Bastante questionada por deixar tecido mamário residual passível de alterações hiperplásicas e degeneração maligna, além de deixar um resultado estético questionável.   

Mastectomia simples ou total

Consiste na retirada da glândula mamária, sem esvaziamento axilar. É indicada no tratamento do carcinoma ductal in situ.

 

Reconstruções imediatas ou Tardias

TRAM (Retalho miocutâneo do reto abdominal)

Indicada na mastectomia radical modificada (Patey e Madden) ou Halsted.

Grande dorsal com ou sem prótese

Indicada na mastectomia radical modificada (Patey e Madden).

Prótese com ou sem expansor

Indicada na mastectomia radical modificada (Patey e Madden).

 

Desequilíbrios do Sistema Linfático

Edema

Acúmulo patológico de líquido nos tecidos conjuntivos intersticiais subcutâneos
Obstrução linfática (linfedema) ou outras causas (edema).

Linfedema

Sensação de pele esticada, diminuição da flexibilidade, sensação de aperto ao usar objetos.
É uma patologia crônica e ocorre devido o acúmulo de líquidos por diminuição da capacidade de transporte linfático, causado por distúrbios na circulação linfática.
 
Tipos:

  • Primários
  • Esporádico
  • Hereditário
  • Associado a síndrome
  • Secundários
  • Pós-cirúrgico
  • Radiogênico
  • Pós-traumático
  • Pós-infeccioso
  • Pós-inflamatório
  • Filariose
  • Maligno (neoplásico)
  • Artificial

Fatores de risco do linfedema:

  • Idade
  • Obesidade
  • Seroma
  • Edema precoce
  • Linfadenectomia axilar
  • Biópsia do linfonodo sentinela
  • Radioterapia
  • Tratamento sistêmico
  • Tamanho do tumor
  • Status dos linfonodos
  • Estadiamento
  • Complicações do linfedema:
  • Restrição do movimento
  • Erisipela
  • Linfocistos
  • Úlceras
  • Fibrose linfoestática
  • Micose interdigital
  • Papilomatose
  • Linfangiosarcoma/ Síndrome de Stewart Treves
  • Processo inflamatório cutâneo

Saiba mais no site da Sociedade Brasileira de Mastologia

Voltar

Compromisso com o Bem Viver

Rua Gilberto Studart 55 sala 411 | Duets Office Tower
Fortaleza, Ceará - 85 8555.9035 | 85 9987.9035

Código Digital - Agencia de Design Gráfico e Webdesign - Desenvolvimento de Websites - Fortaleza - Ceará